Uncategorized

Foder a Mãe do Dinis

Anal

Foder a Mãe do Dinis
Aquela sua língua, afinal não era aguçada apenas para mandar ferroadas…

Desde o momento em que lhe coloquei os olhos em cima a mulher atormenta os meus sonhos. Por sorte conheci o Dinis e criámos uma amizade peculiar. Ao sairmos da faculdade procurámos um apartamento para dividirmos no centro de Lisboa, enquanto a nossa vida não se orientava.

A mãe do Dinis tinha sido um tormento para a minha mente desde o primeiro momento em que lhe coloquei os olhos em cima. Mas sendo a mãe do Dinis não poderia passar dos meus sonhos para a realidade tudo o que eu já tinha fantasiado com aquela mulher.

A mãe do Dinis tinha, agora, quarenta e dois anos e eu, um jovem com as hormonas aos saltos, quando a conheci tinha os meus rebeldes vinte e cinco anos. Contudo com o passar dos anos nunca a tirei da minha mente. Aquela mulher quando a conheci fazia inveja até às mais novas. Mesmo tendo a responsabilidade de cuidar e de educar um filho nunca se menosprezou, e por esse motivo nunca se esqueceu de ter um tempo para si mesma. Teve uma vida difícil mas conseguiu dar a volta por cima ao chegar ao posto de diretora de imagem da empresa onde começou ainda ela estava a acabar a faculdade.

Voltei a revê-la hoje. Os encontros com a mãe do Dinis eram espontâneos e por vezes imprevisíveis, como por exemplo uma noite que a encontrei no meio do corredor do centro comercial. Não a cumprimentei, limitei-me a segui-la calmamente pelo corredor, vê-la como se move ao longo daquele corredor apinhado de pessoas, mas mesmo assim nunca a perdi de vista. Como se deixa escapar uma visão daquelas?

Eram onze da manhã quando alguém tocou à campainha. Tocou e voltou a tocar. Gritei:

– Dinis! Abre aí a porta!

Deixei esperar um pouco, até repetir:

– Dinis! Foda-se! Estás aí mais perto.

Desta vez oiço um murmurar a vir do quarto dele. Irritado, levanto-me da cama e vou abrir o raio da porta.

“Quem será a está hora numa porra de um sábado?”, pensei.

Falei pelo intercomunicador mas sem sucesso. A pessoa em questão subiu até ao nosso andar. Ouvia os saltos a subirem cada degrau calmamente.

“Será que ele combinou algo com a Andreia e não se lembra?”, pensei.

Esperei até baterem à porta e abri-a sem pensar, sem me certificar quem seria àquela hora. Ainda a coçar o olho, abro a porta e fico estupefacto ao ver quem se encontra à minha frente.

– Não se esqueça de vestir uma t-shirt para vir abrir a porta de casa. Ah! – diz ao olhar-me para as pernas – já agora, também umas calças.

Aquilo tudo deixou-me um pouco aparvalhado. Fiquei a segurar na porta ainda mais uns segundos, sem saber o que fazer, até que finalmente a decido fechar e vou até ao meu quarto vestir-me.

A mãe do Dinis àquela hora, também não se fez de estranha e foi logo direta ao quarto do Dinis.

– Que estás a fazer? – oiço-a gritar.

Depois de a ouvir gritar com o Dinis, que se tinha esquecido que tinha combinado ir tomar o pequeno-almoço com ela, oiço-a a levantar a persiana da janela do quarto.

Eu ainda meio aparvalhado fui até à casa de banho e comecei por me lavar e dar um jeito no cabelo.

“Nada sexy, pá!”, pensei enquanto me olhava no espelho.

Depois daquela situação toda, pensei em ficar acordado e por isso fui até à cozinha e tirei um café na nossa máquina de café. Após o café estar servido peguei num cigarro, no meu quarto, e depois segui até à sala, onde sou, novamente, surpreendido pela presença daquele mulherão.

– Vejo que já se vestiu! Muito bem. – diz-me entre risos.
– Ah!… Pois… – estava tão envergonhado que nem sabia dizer uma frase simples.

Fui para perto da janela e acendi o cigarro, após dar um gole no café. Estava uma manhã solarenga naquele mês de Abril. Estava focado em acordar a minha mente, enquanto levava com os raios do sol calorento na cabeça, até que os meus pensamentos foram interrompidos.

– Arranja-me um cigarro? – diz-me a mãe do Dinis, enquanto me coloca a mão no ombro e o aperta delicadamente.
– Ah!… Sim… Claro….

Afastei-me dela muito rápido e fui até ao meu quarto buscar mais um cigarro. Quando regressei para perto dela dei-lhe o cigarro.

– Obrigada. E já agora – diz enquanto olha em direção ao isqueiro – pode-me alcançar o isqueiro que está aí, bem perto de si?

Atrapalhadamente, em vez de lhe dar o isqueiro para a mão, acedo-o. Dou-lhe lume, enquanto ela me segura nas mãos. Fixou o seu olhar para mim e nunca para o cigarro. Aquele olhos esverdeados naquela pele morena, era uma combinação mortífera.

A tensão naquela sala era perceptível, eu sentia-a e era desconcertante estar perto de uma mulher daquelas e não poder agir. Ao surgir à porta da sala, o Dinis interrompe os meus longos pensamentos enquanto o meu olhar estava fixado em cada movimento que a sua mãe fazia enquanto fumava o cigarro tranquilamente e observava as nuvens que se encontravam no céu, através da janela.

– Vamos? – diz-lhe o Dinis da porta. – E desde quando fumas?!
– Estava a ver que nunca mais. Quer nos fazer companhia Óscar? – pergunta-me com um olhar demasiado sedutor, mas tive que me manter firme.
– Obrigado pelo convite, mas vou ficar por casa.
– Fica para uma próxima então. – responde-me com um olhar desejoso.

O olhar do Dinis demonstrava o quanto irritado estava com aquela situação toda.

– Puto, vemo-nos mais logo! – diz-me antes de fechar a porta do apartamento.

Ouvia-os a descer as escadas. Assim que oiço a porta do prédio a fechar respiro fundo. Jogo as minhas mãos à cabeça.

“Mas que porra se passou aqui?!”, pensava e repensava.

Aquele encontro foi demasiado desconcertante. Deixou-me desorientado, tão desorientado que nem sabia o que iria fazer depois. Não me sentia assim desde que me apaixonei pela Raquel, nos primeiros anos de faculdade. Foi um amor que pouco durou, mas foi intenso o que vivi com ela. As horas foram passando e eu lá me fui recompondo.

Ao final da tarde o Dinis aparece por casa.

– Puto, estava a pensar mandar vir uma pizza, queres alguma coisa?
– Obrigado, pá! Mas a Andreia enviou-me sms há pouco e eu aproveitei e convidei-a para jantar. Já sabes… quando te fores deitar fecha a porta, que poderei trazer companhia. – diz-me com um sorriso rasgado.

Quando dei por mim estava novamente sozinho. Passei o sábado em casa a relaxar na minha, apenas com uma preocupação na cabeça: A mãe do meu amigo, do meu companheiro de apartamento.

DinisMother2

Aquele fim-de-semana passou-se e quem teve sorte foi o meu amigo Dinis ao aproveitar a deixa da namorada de querer ir beber um café ao final da tarde para a levar depois a jantar. E bem, uma coisa leva a outra.

Os dias foram passando até que um dia ao chegar a casa e quando vou dar um pouco de atenção à minha rede social vejo que tenho uma mensagem pendurada, nos pedidos de conversação.

Fui apanhado de surpresa ao ver o nome da mãe do Dinis ali, exposto no meu telemóvel.

Respirei fundo e só depois disso é que abri aquela janelinha.

“Contacta-me.”

Foi apenas isso que ela me escreveu. O meu coração palpitava.

Sou um homem feito, com trinta e dois anos, mas pareço um adolescente ao pé dela. Ela deixa-me sem jeito.

Carreguei no botão azul a aceitar a sua mensagem e em poucos segundos telefono-lhe a partir da aplicação. Não queria perder mais tempo e queria ouvi-la ao meu ouvido, mas por momentos detive-me.

– Dinis, estás em casa puto? – grito ao longo do corredor do apartamento.

Nem uma viva alma naquele apartamento. Agora sim posso continuar. Não esperei nem mais um segundo e carreguei no ícone do telefone naquela janela de chat.

Esperei, mas ninguém me atendeu do outro lado. O sorriso e a alegria que eu tinha em mim, muito rápido se evaporaram. Começo por atirar a gravata para cima do sofá, estou irritado, esmorecido. Levanto-me do sofá e começo por me direcionar para a casa de banho quando oiço o telemóvel vibrar. Não me incomodo e continuo a despir-me para entrar no duche.

Após uns bons quarenta minutos pego no meu telefone e vejo que a Sofia, a mãe do Dinis, me tentou contactar de volta. Retorno-lhe a chamada e desta vez não perde muito tempo e atende-me.

– “Andamos desencontrados”, digo-lhe entre risos.
– “Boa noite, também para si. Não lhe ensinaram boas maneiras quando era mais novo?”, diz-me em tom reprovador.
– “Desculpe. Boa noite. Como tem passado a senhora?”, digo em tom calmo.
– “Bem, obrigada. Olhe, diga-me uma coisa…”
– “Por si, tudo”
– “Desculpe?!…” , responde-me surpreendida do outro lado.
– “Nada, nada. Continue, por favor.”
– “Retomando o que estava a ser dito, então… Diga-me Óscar, tem planos para hoje à noite?”

Ao ouvir aquela questão a minha boca fica seca e o meu corpo estremece. Não estava a conseguir ter a percepção se aquilo era a realidade ou se não passava de mais um sonho molhado, onde depois acordo agarrado ao meu pénis enquanto me estimulo. Depois de alguns momentos de profunda hipnose, retorno à realidade ao ouvir a sua voz:

– “Óscar, está a conseguir ouvir-me? Conseguiu ouvir o que lhe disse?”, perguntava-me meio confusa.
– “Sim, desculpe. Estava a pensar se tinha planos. Não. Não tenho. Mas precisa de alguma coisa? Quer que eu diga algo ao Dinis?”
– “Não. Apenas a ti.”

Aquela mulher estava-me a deixar enlouquecido apenas com as suas pequenas afirmações feitas de uma forma tão madura e ríspida.

– “Óscar, está aí? Eu não deveria ter dito aquilo. Perdão.”
– “Quer que vá ter consigo à sua residência?”, pergunto-lhe sem esperas.
– “Sim, por favor.”

Combinamos em sua casa dentro de meia hora. Dava mais que tempo para organizar tudo. Armei-me em Flash e corri para o quarto para vestir algo com um look casual chic. Coloquei um pouco de perfume e novamente entrei em modo Flash, desci as escadas em direcção ao meu Audi A5 que nem uma flecha. Nunca tinha conduzido tão rápido pelas ruas e ruelas de Lisboa.

Quando cheguei a sua casa tive apenas que tocar à campainha para me abrir a porta do apartamento. Ela não estava à minha espera junto da porta.

– Olá?!… – deixo escapar timidamente.

Ela não responde e pouco tempo depois aparece junto de mim com um copo de vinho em cada mão. Cumprimenta-me com dois beijos na face, dá-me o copo e depois diz-me enquanto se encaminha para a sala:

– Aqui estaremos melhor – diz enquanto se senta no sofá.

Vou atrás dela, hipnotizado. Deixo-a ir andando à minha frente, de forma a ver as suas linhas que já me tinham feito descarrilado tantas vezes em sonhos.

Sentei-me perto dela no sofá e a conversa foi-se desenrolando. Aos poucos ela foi-se aproximando e abrindo, dissimuladamente, o segundo botão da sua camisa. A sua justificação para estar assim vestida é que tinha chegado há pouco tempo do trabalho e ainda não tinha tido tempo para trocar de roupa. Desculpou-se pela roupa usada, mas eu disse-lhe que isso não era um problema.

Aquela sua saia preta estava-me a deixar maluco. A cada movimento que fazia a sua saia subia mais um pouco, deixando a sua longa perna exposta à minha visão. Deixou escapar uma visão das suas meias, eram de liga, pretas. O terceiro botão da sua camisa era o mais fraco, com um movimento um pouco mais brusco dela abriu-se e deixou um pouco exposto o seu sutiã branco rendado. Ela apanhou-me.

– Estou a ficar um pouco desatenta. Peço desculpa pelo meu comportamento. – diz-me meio envergonhada.
– Não faz mal Sofia. Todos temos os nossos descuidos. – digo-lhe enquanto lhe meto a mão no joelho.

Aos poucos eu fui avançando com a minha mão para o meio das suas coxas e ela ao entender isto, levantou-se e disse-me rapidamente:

– Mais vinho? Vou buscar a garrafa. Já volto.

Ali o desatento e o aparvalhado era eu, não a Sofia. Ela deixou-me desorientado mesmo que por fora parecesse um homem com tudo nos sítios, eu estava em pânico. Não sabia no que pensar, nem em qual seria o meu próximo passo.

A Sofia regressa da cozinha com a garrafa e antes de se sentar enche o meu copo e o seu. Ao sentar-se aproxima-se ainda mais de mim ao pegar no copo. Ela apanha-me a olhar para as suas linhas e para o seu decote, que ela não abotoou aquele terceiro botão, que malandra.

– Interessa-lhe ver o que está por debaixo das minhas roupas, é?

Fiquei meio sem saber o que dizer. Ao ver que o meu silêncio ia aumentando depois daquela questão, ela pega na minha mão direita e coloca-a sobre o seu seio.

– É isto que queria? – vendo que me apanha de surpresa, acrescenta – Agarra-a com vontade.

Como um menino bem comportado fiz o que ela mandou, apertei-lhe o seio com vontade. O meu coração começou a acelerar. Mas pouco depois virei um adolescente rebelde e joguei-me ao seu peito. Beijei a pouca pele que tinha exposta e aos poucos fui abrindo os restantes botões daquela sua camisa branca. Beijei-a mais um pouco. Tocava em ambos os seios, tal como ela me tinha pedido, apertava-os e sentia que a respiração da Sofia se alterava.

Beijava-lhe o pescoço enquanto tentava livrar os seus seios daquele tormento rendado. Ao conseguir libertar os seus seios, os seus mamilos ficaram expostos. Tão rosados e excitados. Não me consegui conter e apertei-os. Lancei-me a eles tanto com a ponta dos meus dedos como com a minha boca. Que seios tão macios e tão tesudos. Ela remexia o seu corpo por debaixo do meu. As suas pernas estavam descontroladas a roçarem uma na outra. Enquanto me deliciava com os seus mamilos, ela segurava em cada seio e ia-me dizendo ao ouvido entre respirações pausadas e pesadas, como que num sussurro:

– Lambe-me… Lambuza-me… Deleita-te…

Demorei-me um pouco pelo seu peito e pescoço até que finalmente senti o sabor dos seus lábios. Aquele beijo levou-me até a outro mundo. Aquela sua língua, afinal não era aguçada apenas para mandar ferroadas.

DinisMother3

Entreguei-me àquele momento de corpo, pois a alma estava ausente naquele momento tão impróprio. Estava prestes a comer a mãe do meu amigo, do meu companheiro de apartamento. Como iria ele reagir ao saber disto? Seria mesmo necessário contar-lhe e depois viver numa mentira?

Os meus pensamentos eram mais que muitos, mas naquele momento eu só queria poder aproveitar a musa que se entregou de corpo e alma a este miúdo, pois mesmo com trinta e dois anos, eu não passo de um puto para ela, o que teria a Sofia visto em mim, para lhe despertar tal repentino desejo?

Respostas que não queria encontrar agora, apenas queria deleitar-me com o seu sabor, com o seu calor, com o seu corpo. Com ela. Queria matar todas as minhas fantasias ao realizá-las hoje com a Sofia, presencialmente já não passava de uma mera miragem.

Depois de me deliciar com o seu pescoço longo e gostoso, com os seus lábios carnudos e com os seus seios tesudos, as minhas mãos começaram a percorrer o seu tronco até que encontraram a sua saia, que já estava mais que levantada. Comecei a puxar a sua tanga para baixo, mas ela travou o meu movimento.

– Fiz alguma coisa de mal? – perguntei meio baralhado.

Ela não me responde. Saiu debaixo de mim e começou por despir as roupas que ainda cobriam a sua pele, deixando ficar apenas a tanga e as meias. Esticou a sua mão direita para pedir a minha, cedi ao seu pedido e dei-lha.

A Sofia encaminhou-nos do seu confortável sofá até à sua cama king size, que era apenas para aquele corpo perfeitinho repousar cada noite. Um quarto moderno e intemporal. Gostei da sua decoração, mas não era para isso que tinha ido até ali.
Sinto-a empurrar-me para cima da cama.

– Alguém ainda tem tanta roupa. – diz enquanto se mete em cima de mim e calmamente vai abrindo os botões da minha camisa.

Despiu-me a camisa de uma forma que nunca mo tinham feito. Aquela foda foi desconcertante. Eu queria tocar-lhe mas ela só me retirava as mãos de cima dela. A Sofia foi descendo com toda a calma do mundo. Beijando todo o meu tronco, o meu pescoço e endoidecendo-me ao demorar-se nos meus lóbulos de ambas as orelhas. Sentia o meu pénis a latejar dentro dos meus boxers justos.

Quando chegou às minhas calças, novamente sem pressas, desapertou-me o botão e fez a braguilha descer com toda a calma possível. Ela estava a deixar-me doido a cada movimento, a cada olhar devorador que ela me lançava.
Ao deixar o meu pénis descoberto os seus olhos incendiaram.

– O que vem a ser isto tudo? – diz para o meu pénis.

Não tive hipótese de responder apenas de ofegar. Ela colocou todo o meu pénis, de uma única assentada só, dentro da sua boca. A Sofia não quis saber do tempo, demorou o tempo que queria comigo e usou-me para seu bel-prazer.

O seu broche foi deveras perturbador mas no entanto prazeroso. A Sofia deixou-me num estado que nunca tinha estado antes. O meu corpo estremecia a cada lambidela e a cada garganta funda que ela fazia. A sua boca estava deliciosamente gostosa e o seu toque, as suas mãos a tocarem-me em todos os pontos que eu pensava que não tinham qualquer interesse para o meu prazer.

Com uma mão ela segurava no meu pénis e estimulava-o enquanto colocava, à vez, cada testículo dentro da sua boca, e com a outra mão apertava e rodopiava um mamilo e depois o outro. Estava-me a deixar cada vez mais excitado. Agarro-me aos seus cabelos e faço-a engolir ainda mais o meu pénis. Ela não luta contra mim, mas dá-me sim mais prazer com a sua língua enquanto o engole todo. Estou de tal forma ofegante que a minha boca fica seca. Aquela mulher está-me a deixar louco.

Ao largar os seus cabelos, deixo-me cair novamente sobre a cama. Enquanto me continua a endoidecer com a sua boca, enquanto lambe coloca dois dos seus dedos também dentro da boca. Que sensação. Humedece os dedos e depois começa a percorrer o interior das minhas coxas até chegar ao meu ânus.

– O que está a fazer? – digo-lhe meio incomodado.
– Tenha calma. Deixe-se ir… – diz-me num tom suave enquanto continua a dar lambidelas ao longo do meu pénis.

Tenho o meu pau mais que teso, a latejar e ela não pára com aquela tortura. Continuou o seu caminho até ao meu ânus mas desta vez com a língua. Com a ponta da língua brincou com o meu ânus, até tentar forçar a entrada com a sua língua. Que sensação do caralho! Enquanto o fazia a sua mão continuava a estimular o meu pénis. Agarrei-me novamente aos seus cabelos.

– Sofia… – digo ofegante – estou quase a …

Ela não me deixa terminar o que estava a dizer. Retira-o da boca e vem ao encontro da minha boca esfregando o seu corpo todo ao longo do meu pénis. Dá-me um senhor beijo de tal forma que fico quase sem respiração, a sua língua era de deixar qualquer homem endoidecido.

Coloca-se sobre mim e começou-me a cavalgar. Aquela visão. Os seus seios volumosos a saltarem e a salpicarem-me com algumas gotas de suor. Ela já pingava mas não cessava o movimento. Não me consegui aguentar muito tempo, avisei-a mas ela mesmo assim não cessou. Continuou com o seu rodopiar de ancas e depois o belo do seu cavalgar sobre mim. O meu pau não me deixou mal visto e continuou tal e qual como começou: duro e hirto, pronto para a guerra.

A Sofia crava as unhas no meu peito, aperta as suas pernas contra o meu tronco e começa a aumentar as suas investidas. Oiço-a aumentar lentamente o volume do seu gemido, até que sinto as unhas a arrastarem-se ao longo do meu tronco, coloca uma mão sobre o meu tornozelo, deixa-se cair para trás e começa com umas investidas ainda com mais pujança que anteriormente. A Sofia estava prestes a atingir o orgasmo e eu o segundo. Elevei o meu tronco e abracei-a. Ela veio-se nos meus braços, bem junto a mim, corpos mais que colados devido ao suor de ambos.

A respiração dela estava ofegante e descontrolada, sentia o seu coração aceleradíssimo junto do meu. Deixei-me cair sobre a cama e trouxe-a comigo, entre os meus braços. Ficámos assim ainda durante um bocado enquanto eu me fixava naqueles olhos esverdeados.

Deixámo-nos ir de tal forma com o momento que acabámos por adormecer juntos.

Quando acordei na manhã seguinte, não a encontrei na cama mas muito rápido percebi que ela estava a tomar banho, tinha deixado a porta semiaberta.

Espreguiçei-me em cima da cama e belisquei-me de forma a tentar entender se aquilo tinha sido real, ou se não tinha passado de apenas mais um sonho.

Levanto-me da cama e vou até à varanda fumar um cigarro. Belisco-me novamente. Nunca é de mais reconfirmar.

Quando termino de fumar o meu cigarro matinal, ao entrar de novo no quarto vejo-a em cima da cama nua apenas com uma toalha a cobrir-lhe os cabelos ainda molhados. Tinha uma expressão tão juvenil e bela estampada na face, naquela manhã de domingo.

– Mais? – diz enquanto esconde a cara entre os lençóis da cama desfeita.

Esboço um sorriso na minha cara e vou ao seu encontro naquela cama gigantesca. Aquela musa não me ia escapar.

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir

gaziantep escort antep escort izmir escort karşıyaka escort malatya escort bayan kayseri escort bayan eryaman escort bayan pendik escort bayan tuzla escort bayan kartal escort bayan kurtköy escort bayan ankara escort kayseri escort