Uncategorized

Ida ao Porto – A primeira vez

Ida ao Porto – A primeira vez
Olá, sou a Marta, 52 anos, 2 filhos já maiores, divorciada, natural de Lisboa e presentemente a viver no Alentejo.

O que vos vou contar aconteceu tinha eu 36 anos, ainda casada com o Pedro. Casamos novos e sempre nos demos bem. Ambos trabalhávamos e vivíamos bem o que nos permitia ter uma boa vida, fins de semana fora, jantares semanais, ginásio, etc. Na altura trabalhava numa empresa que representava em Portugal uma empresa Holandesa. Essa representação obrigava a duas vezes por ano, na altura da vinda do representante da companhia holandesa fazer visitas às fabricas com quem negociávamos. Eram todas a norte do Tejo pelo que começávamos a semana pelas empresas próximo de casa, partindo para o Porto na terça à noite, onde ficávamos até sexta ou sábado, dado que a maioria das empresas era nessa zona do país. Ficávamos no Hotel Infante de Sagres na cidade do Porto.

Naquele ano a visita do holandês foi agendada para a ultima semana de Julho, inicio de Agosto e este ano iríamos ter um novo representante da empresa dado que o anterior se tinha reformado. Como o meu chefe estava ausente do pais na segunda feira e queria conhecer o novo contacto na Holanda, marquei três quartos no Infante de Sagres, um para cada um de nós.
No domingo anterior fui ao aeroporto buscar o Ab, um Holandes de 40 anos, com cerca de 1,85m, talvez uma 90kgs e negro como eu nunca tinha visto. Levei-o ao Hotel, Sheraton, e combinamos jantar nessa noite para combinarmos as visitas do dia seguinte.

Fui para casa, tomei um duche, vesti-me e lá fui de táxi ter com ele, não fosse o caso de não estar em condições de conduzir no regresso. Na recepção pedi para ligar ao quarto e informar que aguardava no hall por ele. Apareceu muito bem vestido, trocamos elogios e fomos até ao bar beber uma bebida. Terminada, fomos para o restaurante onde tivemos um jantar muito agradável. O Ab era casado, com uma filha e muito bem disposto e divertido.

No dia seguinte começaram as nossas visitas de trabalho. Normalmente, na empresa uso saias, não muito curtas, para manter um ar apresentável e nessas altura caprichava. Tudo ajuda a fechar um bom negócio. O dia correu muito bem dado que conseguimos alguns contratos que não estávamos à espera. No dia seguinte apenas visitamos uma empresa e deixei o Ab no Hotel indo para casa fazer a mala e despedir-me do Pedro e dos miúdos.

Apanhei o Ab no hotel e partimos em direcção ao norte, onde jantámos. Na quarta-feira o Francisco, meu chefe, juntou-se a nós e os três iniciamos mais um dia de visitas, contactos e contratos. Quinta e sexta não foi diferente. A semana tinha sido óptima e tínhamos superado todas as nossas expectativas iniciais. Assim resolvemos ficar mais uma noite para comemorar e regressar apenas no sábado.

Estava uma noite muito quente pelo que resolvi vestir um vestido de verão e umas sandálias. Apanhámos um táxi e lá fomos a um restaurante na foz, Dom Manolo, ou Manuel, já não me recordo, onde jantámos muito bem e bebemos melhor. Era altura de comemorar… Saídos do restaurante, divertidos e animados demos um passeio a pé onde fumei algo que o Ab me deu e me ajudou a desinibir ainda mais. O Ab perguntou se queríamos ir dançar e o Francisco referiu que não estávamos em condições mas conhecia um sitio fantástico. Era uma discoteca bastante animada mas não me lembro do nome. Enquanto o Francisco, homem de 50 anos e um pouco gordinho mas muito simpático, pediu as bebidas, o Ab deu-me a mão e lá fomos os dois para a pista onde nos divertimos imenso. O Francisco conseguiu uma mesa e por lá ficou à nossa espera. De quando em vez la vínhamos sentar para tomar algo e voltávamos para a pista. Quando veio o primeiro slow o Ab puxou-me para ele e abraçou-me com força, não tendo qualquer hipótese para recusar aquela dança.

Com as luzes reduzidas e tão próximos um do outro, senti aquela enorme mão descer pelas minhas costas até ao meu rabo. Apertou e eu estremeci mas, talvez, por culpa do que tinha bebido e fumado, não disse nada e soltei um pequeno gemido, que ele entendeu como sinal de aprovação e tendo continuado a sentir-me toda deixando-me fora de mim e desejosa que aquele momento não terminasse.

Nunca tinha traído o meu marido nem sequer alguma vez tinha pensado nisso, mas sentia-me bem e nem me lembrei dele ou dos miúdos. Apenas queria sentir aquelas mãos grandes e negras a explorar o meu corpo. Ao fim de 3 slows regressámos à mesa para mais uma bebida tendo o Francisco me dito, em português para o Ab não entender: “Adorei o show, espero que não tenha terminado.” Sorri e pensei que estava perdida e naquele momento apenas lhe consegui perguntar se queria dançar também. Nunca o vi levantar-se tão depressa e la fomos os dois para a pista. Levou-me para o meio da pista e quando lhe pus os braços no pescoço disse-me ao ouvido que tinha um enorme desejo de me beijar, sempre tinha tido. Sem dizer nada afastei-me a cara, que já estava encostada à dele, e encostei os meus lábios aos dele, recebendo em troca a língua dele dentro da minha boca. Adorei aquele beijo, fiquei molhada só de pensar no que estava a fazer em publico, a beijar o meu chefe, depois de ter sido toda apalpada por um “colega” negro. Acabou o slow e voltamos para a mesa. Estávamos cansados e a musica estava muito mexida pelo que resolvemos voltar para o Hotel.

Apanhamos um táxi e desta vez fomos os três atrás comigo no meio. Encostei a cabeça ao Francisco e fechei os olhos. Senti uma mão a tocar nas minhas pernas e com a cabeça a rodar a mil à hora abri as pernas para melhor facilitar o trabalho daquela mão. Era do lado direito pelo que tinha de ser o Ab. Que estará a pensar o Francisco? Que vai pensar de mim? Que se lixe, estou a adorar e ele, sendo casado, também não pode contar pois esta aqui. Com a mão virei a cara dele para mim e beijei-o novamente. Ganhou coragem e também ele pôs a mão entre as minhas pernas, que por esta altura já tinham o vestido bem para cima e as pernas completamente abertas. Que espectáculo deve ter tido o motorista
.
Chegados ao Hotel subimos para os quartos com o Ab a dizer no elevador: “I still feel like dancing with you Marta, Will you join us Francisco ?” Que merda é esta ? nem me perguntou se eu queria dançar, apenas informou que ele queria…

Entrámos todos no quarto do Francisco que pediu ao room service uma garrafa de champanhe fresquinha. O Ab colocou uma musica a tocar e abracou-me, voltando a colocar ambas as mãos no meu rabo, ali mesmo à frente do Francisco, levantando-me o vestido e puxando a minha tanga pelas costa, obrigando-a a enfiar-se toda em mim. Novo suspiro e mãos de volta ao meu rabo afastando as bochechas para que o Francisco, sentado na cama visse bem o meu cu.

Senti-me uma puta nas mãos daquele preto mas adorei o que ele me estava a fazer. “wondeful white ass” disse ele. Tirou a camisa e aproveitei para sentir e beijar os mamilos dele.

“not fair” e abriu-me o vestido, que de imediato me tirou e desapertou-me o soutien. Fiquei de tanga e sandálias naquele quarto de hotel com um holandês negro e um português, 15 anos mais velho e ainda por cima meu chefe. Que puta, sou…
….
Quando bateram o Ab manda o Francisco vir dançar comigo e vai abrir a porta. Estava já o meu chefe a apalpar-me as mamas quando o Ab abre a porta e manda entrar o empregado com o champanhe numa bandeja. Meio assustado o miúdo entrou. O Ab aproxima-se de mim e dá-me uma palmada no rabo que fez o rapaz virar-se. Quase me vim naquele momento.

Ainda antes de o miúdo sair pôs-me de joelhos à frente dele e desapertou as calcas. Puxei-as para baixo juntamente com os boxers e ia levando com aquele membro na cara. Parecia uma mola, era enorme, talvez uns 23 cm e negro como tudo. Segurei-o com a minha mão e pus a língua de fora para passar aquela cabeça enorme por ela. Ouvi a porta fechar, estávamos apenas os 3, enfiei na boca e chupei. Que loucura… eu que fazia sempre o meu marido tomar banho antes de o chupar estava ali de joelho num quarto de hotel a chupar um preto que tinha tomado banho de manha e mijado sei lá quantas vezes ao longo do dia.

Senti uma mão a afastar-me a tanga e a tentar enfiar um dedo na minha coninha, era o Francisco que se tinha juntado a nos e estava de joelhos atras de mim, com a cara no meu ombro a ver-me mamar aquele mastro negro. Sem largar o pau olho para o lado e o Francisco abre a boca e espeto-lhe um linguado que adorei. Levantei aquele pau e lambi as bolas, depiladas, daquele deus negro. Chupei uma de cada vez e com a língua de fora fui das bolas atá à cabeça para de novo a enfiar na boca e chupar com sofreguidão. Enquanto isto sentia o mastro no Francisco no meu rego e as mãos dele a apalparem-me as mamas.

“Let´s go to the bed” disse o Francisco, ao que o Ab anuiu saindo de dentro da minha boca. Quando me levantei vi pela primeira vez o caralho do meu chefe, não estava nada mal o Sr Francisco. O Ab foi o primeiro a deitar-se na cama e eu de quatro comecei a chupá-lo novamente. Estava impressionada com aquele caralho, não que fosse exageradamente grande mas aquela cor excitava-me imenso e tentei engoli-lo todo. O Francisco aproveitando-se de eu estar na borda da cama ajoelhou-se e começou-me a lamber a cona. Que delicia, nunca pensei que pudesse ter tanto prazer em simultâneo. Senti as mãos dele a abrir o meu rabinho e logo de seguida uma língua a penetar o meu buraquinho virgem. Que prazer…. Enquanto me fodia com a língua apalpava as minhas mamas e apertava-me os mamilos, o que me provocava alguma dor e também imenso prazer. “lick my ass, slut.” ouvi o Ab dizer ao mesmo tempo que levantava as pernas e ficava com aquele buraco negro junto da minha cara. Meio enojada mas muito excitada, pensei “que se lixe, porque não” e passei a língua por aquele rego negro como tudo. Continuei a bater-lhe uma punheta ao mesmo tempo que lhe enfiava a língua. O Francisco vendo a cena levantou-se e deu-me uma valente palmada no rabo enquanto dizia, “Não fazia ideia da puta que és Marta” e de imediato me penetrou. Lubrificada como estava entrou de uma vez na minha cona e assim ficamos uns minutos. Era fodida por tras e empurrada para aquele caralho negro.

Não tínhamos preservativos mas ninguém se lembrou ou referiu o assunto. Após o parto do segundo filho tinha feito laqueação de trompas pelo que não corria risco de engravidar.

Tive logo um enorme orgasmo e não demorou muito para o Francisco me encher com a sua esporra. Para meu espanto abaixou-se atras de mim dando-me 3 lambidelas na cona que quase me fizeram vir novamente. Interessante este chefe!

“My turn, get on top of me, slut” Fui para cima do Ab e enfiei-me naquele mastro que tentei apertar dentro de mim enquanto cavalgava. O Francisco atras de mim apertava-me as mamas e puxou-me os cabelos obrigando a minha cabeça a recuar aproveitando para me beijar. Uau, pode sentir na boca dele os nossos prazeres e adorei aquele debochado beijo.

Sai de cima do Ab e coloquei-me de quatro, a minha posição favorita, com ele a enfiar-me por tras, devagarinho ate estar todo dentro de mim e depois a estocar-me violentamente. O Francisco que se tinha sentado na poltrona a bater uma punheta aproximou-se para que o pudesse chupar, o que fiz com todo o gosto. Um caralhão negro na cona a estocar-me com força e o caralho do meu chefe que me segurava no cabelo, numa tentativa ténue de não ser não o aleijar a cada estocada do Ab.

Não demorou muito até o Ab estar pronto para se vir, “almost there, get here you bitch, suck me”. Virei-me e aceitei aquele membro na minha boca enquanto o Francisco observava e batia nova punheta. “open your mouth”, o que fiz e encheu-me a boca e a cara com aquela lagonha quente e salgada. Novo orgasmo. Passou os dedos pela minha face apanhando toda a esporra que não me tinha acertado na boca e enfiava-me os dedos para eu chupar.

Nem via a aproximação do Francisco que me segura na cabeça e vira para ele dando-me outra esporradela na cara. “Chupa Marta, adoro-te puta”. Mal ele acabou chupei-lhe apenas a cabecinha e quando ele se deitou ao lado do Ab ali fiquei um, de quatro, a limpar aqueles mastros com a minha língua.

Foram muitas as novas experiências, que ainda não terminaram, mas agora era tempo de descansar um pouco.

Se conseguiram chegar até aqui, obrigado por lerem. Foi a minha primeira tentativa de contar algo, pelo que agradeço todos os comentários ou criticas que queiram efectuar.
Bjs
Marta

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir

gaziantep escort antep escort izmir escort karşıyaka escort malatya escort bayan kayseri escort bayan eryaman escort bayan pendik escort bayan tuzla escort bayan kartal escort bayan kurtköy escort bayan ankara escort kayseri escort marmaris escort fethiye escort trabzon escort film izle bursa escort bursa escort bursa escort esenyurt escort avcılar escort ankara escort çapa escort mersin escort keçiören escort konuşanlar izle mersin escort kızılay escort escort ankara hack forum eryaman escort escort demetevler escort ankara escort bayan